A Economia Criativa é o setor que mais contrata no mundo

Por Alice Sosnowski | mar 16, 2017

economia_criativa (1)

Você sabia que a Economia Criativa é uma das áreas que mais gera renda e contrata funcionários em todo o mundo? Segunda a Unesco, este setor da economia se tornou em uma poderosa força transformadora nos dias de hoje porque além do crescimento ela é também uma das áreas mais rentáveis em termos de geração de renda, empregos e exportação.

A Economia Criativa ganhou expressão e relevância a partir dos anos 2000. O conceito foi cunhado pelo professor inglês, John Howkins, em seu livro The Creative Economy, e foi definido como “processos que envolvem a criação, produção e distribuição de produtos e serviços, usando o conhecimento, a criatividade e o capital intelectual como principais recursos produtivos”. Ou seja, Economia Criativa é o conjunto de atividades econômicas que dependem de ideias, criatividade e capital intelectual.

Neste segmento estão a de moda, música, design, cultura, tecnologia, mídia, rádio, TV, cinema e fotografia, entre outros. Diferente da era industrial, quando estes setores nem apareciam nas estatísticas oficiais, hoje eles passam a ser estratégicos para as economias em todo o mundo, e figuram entre aqueles mais crescem e geram emprego em vários países. Além dos benefícios econômicos, a Economia Criativa agrega valor e competitividade a produtos e serviços e traz desenvolvimento social e crescimento sustentável.

Com uma identidade calcada na criatividade e na diversidade, o Brasil é conhecido por ser um país favorável ao desenvolvimento da Economia Criativa, mas ainda tem muito o que aprender. Estima-se que este setor represente 2,6% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, aproximadamente 2% da mão de obra e 2,5% da massa salarial formal. Em termos absolutos, isso significa mais de R$ 120 bilhões por ano em riquezas e cerca de 1 milhão de pessoas trabalhando no segmento.

Se você é um funcionário ou um empreendedor ligado à Economia Criativa, saiba que está pisando em um terreno fértil. Em um mercado que cresce acima da média nacional, cada vez mais as empresas estão de olho nos bens intangíveis como forma de se diferenciar.

Tão promissor como exigente, a Economia Criativa vem se apresentando como uma das principais apostas da nova economia. Mas é preciso estar preparado: as profissões criativas demandam um alto grau de qualificação, proatividade, dedicação e resiliência, segundo aponta o estudo do Laboratório de Inovação Echos no ebook “Economia Criativa: Como explorar e crescer no mundo dos negócios”. Você está pronto para este desafio?